março 21, 2020

As Histórias de Terror do Tio Montague - Chris Priestley

Título original: Uncle Montague's Tales of Terror
Ano da edição original: 2009
Autor: Chris Priestley
Ilustrações: David Roberts
Tradução: Joana Neves
Editora: Arte Plural Edições

"Edgar não resiste às cativantes histórias de terror que o seu tio Montague lhe conta quando o vai visitar, do outro lado do bosque. Mas qual será a ligação do seu tio a estas histórias sinistras?
Prepara-te para morreres de medo quando descobrires que o tio Montague é, afinal, o protagonista da história mais terrífica de todas.
Um livro assustador... Terás coragem para o ler?"

Comprei este livro nas promoções do Halloween com a intenção de o oferecer às minhas sobrinhas de 10 anos. Tenho por hábito, a não ser que já conheça o autor ou o tipo de histórias, ler o que lhes compro, para perceber se está ou não adequado à idade. Como não conhecia o autor, e por se tratar de um livro de “terror”, este teve de passar pelo crivo e, acabou por ficar nas minhas estantes. Achei que ainda não era adequado para elas. Talvez para o ano. :)

Dito isto, As Histórias de Terror do Tio Montague, é um conjunto de histórias assustadoras, que o sinistro tio Montague conta ao seu sobrinho Edgar. O cenário é uma assustadora mansão, no meio de um pequeno bosque, para a qual Edgar se dirige todos os dias só para ouvir as histórias do Tio Montague.

As histórias não são assustadoras do tipo ficarmos com dificuldade em adormecer ou atravessar divisões às escuras mais rápido do que o normal, com receio da própria sombra. As histórias são um pouco assustadoras, até certo ponto duras e sem grandes rodeios. Acho que acima de tudo, estão muito bem escritas e tentam passar, de alguma forma, uma mensagem. Fiquei agradavelmente surpreendida por este pequeno livro.

Gostei e recomendo. :)

Boas leituras!

Excerto (pág.9):
“O caminho para casa do Tio Montague passava por um pequeno bosque. O carreiro ondulava por entre as árvores como uma serpente a esconder-se no mato, e embora o carreiro não fosse longo e o bosque não fosse nada grande, essa parte da caminhada parecia sempre demorar muito mais do que eu esperava."

(Pág. 13):
“Uma das muitas excentricidades do meu tio era que, embora claramente não lhe faltasse dinheiro, ele nunca tinha querido ter nada a ver com luz elétrica – nem com iluminação a gás, na verdade -, e iluminava toda a casa apenas com luz de velas, e mesmo assim, com pouca. Por isso, segui-lo até ao seu escritório era sempre muito desconcertante; apesar de estar seguro em casa do meu tio, não me sentia nada confortável em ficar às escuras lá dentro, e apressava-me sempre para não o perder de vista – e para não deixar de ver a luz das velas.
Enquanto o meu tio caminhava pela casa cheia de correntes de ar, a luz das velas tornava-me certamente mais nervoso; a sua passagem tremeluzente criava toda a espécie de sombras grotescas na parede, que dançavam e saltitavam por todos os lados, dando a irritante impressão de ter uma vida própria e parecendo fugir para se esconder debaixo da mobília ou correr pelas paredes acima para se refugiar nos cantos dos tetos.
Depois de caminhar mais tempo do que pareceria possível, a avaliar pelo tamanho da casa tal como parecia vista de fora, chegámos ao escritório do meu tio: uma divisão vasta, com diversas estantes cheias de livros e de raridades que o velho senhor tinha trazido das suas viagens. Das paredes pendiam vários quadros e gravuras, e as janelas com caixilhos de bronze estavam tapadas por pesadas cortinas. Mesmo que ainda fosse de dia, o escritório estava sempre escuro como uma gruta.”

Avenue of Mysteries - John Irving

Título original: Avenue of Mysteries
Ano da edição original: 2015
Autor: John Irving
Editora: Transworld Publishers Ltd. - Black Swan

"Juan Diego's little sister is a mind reader. As a teenager, he struggles to keep anything secret - Lupe knows all the worst things that go through his mind. And sometimes she knows more. Whata terrible burden it is to know - or to think you know - your future, or worse, the future of someone you love. What might a young girl be driven to do if she thought she had the power to change what lies ahead?
Later in life, Juan Diego embarks on a journey to fulfil a promise he made in his youth. It is a long story and it has long awaited an ending, nut Juan Diego is unable to write the final chapters.
This is the story of what happens when the future collides with the past."

Por coincidência tenho levado para as férias de Verão livros do John Irving. Talvez seja por serem grandes ou porque tenho a certeza de que serão boa companhia à beira-mar. O ano passado não foi exceção e Avenue of Mysteries foi uma das minhas companhias de Verão. Sim, do Verão. Ando com muita dificuldade em manter o Quero Um Livro a par das minhas leituras. E não é porque estou a ler mais.  Acho que estou a atravessar uma espécie de bloqueio. :)

Agora que devemos estar todos, não por bons motivos, mais por casa, acho que vou conseguir recuperar tudo o que tenho pendente aqui no blogue.

Voltando ao livro.

Juan Diego e Lupe são irmãos. Ele tem 14 anos e uma capacidade extraordinária para as letras e para as línguas. Lupe é mais nova, tem uma forma de falar que só o irmão percebe e, consegue ler os pensamentos dos outros e, de vez em quando, parece que consegue prever o futuro.
Os dois são inseparáveis e praticamente não existem um sem o outro, não deixam, no entanto, de ser muito diferentes.
Vivem numa lixeira, com o dono da lixeira que, pode ou não ser o pai de Juan Diego. :) A mãe, de dia trabalha no orfanato católico da cidade, Niños Perdidos, e à noite é prostituta.

É a história destes dois que vamos conhecendo, através da mente perturbada do, agora adulto, Juan Diego, durante uma estranha viagem às Filipinas.
Nesta viagem às Filipinas, Juan Diego, agora um cidadão norte-americano e um escritor bem-sucedido e reconhecido, espera conseguir cumprir a promessa feita ao "el gringo bueno", quando era apenas um adolescente em Oaxaca. Prometeu-lhe que iria à Filipinas prestar homenagem ao pai sepultado naquele país.
É numa espécie de transe constante, em que temos dificuldade em perceber o que é real, que Juan Diego vai dando a conhecer os acontecimentos que mudaram a vida dos dois irmãos e que o marcaram de profundamente.

Avenue of Mysteries é um livro estranho. Talvez seja a primeira coisa que me ocorre dizer sobre ele. Primeiro estranhei-o, depois foi-se entranhando. :) Pareceu-me um pouco pateta, ou forçadamente estranho, mas a verdade é que, mais uma vez, o poder das personagens criadas por John Irving acaba por me prender. É curioso como no meio do absurdo, as personagens, muitas vezes elas próprias absurdas, nos parecem tão humanas.

O livro está repleto de situações caricatas, de relações improváveis e de acontecimentos tristes que nos fazem rir.
É, também, como tem sido habitual em outras obras de Irving, uma crítica à religião, à intolerância e à política externa dos Estados Unidos.

Não consigo não recomendar John Irving, e este não seria de certeza a exceção.

Leiam John Irving e deixem-se surpreender.

Boas leituras.

Excerto (pág. 15):
“What Juan Diego said was that he’d had two lives – two separate and distinctly different lives. The Mexican experience was his first life, his childhood and early adolescence. After he left Mexico – he’d never gone back – he had a second life, the American or midwestern experience. (Or was he also saying that, relatively speaking, not a whole lot had happened to him in his second life?)
What Juan Diego always maintained was that, in his mind – in his memories, certainly, but also in his dreams – he lived and relived his two lives on “parallel tracks”.
A dear friend of Juan Diego’s – she was also his doctor – teased him about the so-called parallel tracks. She told him he was either a kid from Mexico or a grown-up from Iowa all the time. Juan Diego could be an argumentative person, but he agreed with her about that.”