junho 25, 2016

Instruções Para Salvar o Mundo - Rosa Montero

Título original: Instrucciones para Salvar el Mundo
Ano da edição original: 2000
Autor: Rosa Montero
Tradução: Helena Pitta
Editora: Porto Editora

"Num cenário de subúrbio, onde a noite reclama o seu território e os fantasmas reivindicam o seu espaço, um taxista viúvo que não consegue superar a perda da mulher, um médico desiludido, uma cientista anciã e uma belíssima prostituta africana sedenta de vida cruzam os seus caminhos, para nos obsequiarem com uma visita guiada ao mundo vertiginoso e convulso que cada um encerra dentro de si.
Mas esta não é uma história de horrores, é antes uma fábula de sobreviventes, de quatro personagens que reúnem todos os elementos necessários para serem considerados uns desgraçados, que se movem nos mundos limítrofes à máfia, ao tráfico de mulheres brancas, e a universos virtuais como Second Life, mas que conseguem encontrar um apoio que lhes permite a remição e a saída das trevas que os mantinha prisioneiros.
Uma intensa e hipnótica história de esperança que deambula entre o humor e a emoção e nos mergulha na sociedade caótica dos nossos dias. Uma história que pode ser a de qualquer um de nós."

Nunca tinha lido nada desta escritora e nunca tinha sequer ouvido falar nela. Fui atraída pela capa e pelo título. O que encontrei foi um livro muito bem escrito, uma história muito bem contada e personagens difíceis de esquecer.

É um livro que tão depressa nos faz rir como nos provoca desconforto. É fácil criar empatia com as personagens embora sejam tão diferentes umas das outras e de nós próprios. O que os une? Talvez a solidão e a perda. A incapacidade para serem felizes e a resignação. E o que nos leva a sentir empatia com um taxista viúvo, uma prostituta africana, um idosa alcoólica e um médico infeliz viciado em Second Life? Não sei, talvez o facto de serem todos muito humanos e evidentemente tão infelizes, sem que aparentemente o mereçam, leva a que desejemos que a vida lhes reserve coisas boas. A empatia que criamos com personagens tão diferentes de nós, talvez venha da nossa capacidade de nos colocarmos na pele do outro e sentir as suas dores e alegrias. É de facto um livro muito humano, acho eu... :)
 
Não vale a pena aprofundar aqui a história. Julgo que é um livro cuja história é importante, no entanto acho que vive, essencialmente das personagens e da forma como interagem.

Gostei muito e recomendo sem qualquer reserva. Rosa Montero é uma escritora a repetir.

Boas leituras!

Sem comentários:

Enviar um comentário