abril 20, 2018

A Conversa de Bolzano - Sándor Márai

Título original: Vendégjáték Bolzanóban
Ano da edição original: 1940
Autor: Sándor Márai
Tradução do francês: Miguel Serras Pereira
Editora: Publicações Dom Quixote

"Casanova, evadido dos sinistros Piombi de Veneza, refugia-se na pequena cidade de Bolzano. Aí, irá encontrar-se com aquela que é a Única: a única mulher que amou, a única capaz, talvez de lhe dar a plenitude de vida que só o amor pode dar. Por ela, Giacomo vai aceitar o mais bizarro e difícil dos compromissos: representar, numa só noite, todo o furor e todas as desilusões da paixão. Mas, ao longo dessa irrepreensível encenação, algo totalmente inesperado vai acontecer.
Construído como se de uma ópera se tratasse, numa linguagem de extrema musicalidade, A Conversa de Bolzano, que apareceu em Budapeste em 1940, é, tal como A Herança de Eszter (1939) e As Velas Ardem até ao Fim (1942), uma magistral variação romanesca sobre a paixão amorosa."

A Conversa de Bolzano, retrata a vida de um bon-vivant, Giacomo Casanova, escapulido de Piombi, as prisões de Veneza, que faz uma paragem em Bolzano, uma pequena cidade. A fama precede-o e todos na cidade falam da sua chegada, todos querem vê-lo e todas as mulheres suspiram só de ouvir o seu nome.
O que torna Casanova tão conhecido e desejado? Não é um homem bonito, não é particularmente inteligente e não é rico. O que aguça a curiosidade dos outros e o que atrai os outros é o seu carisma, a sua vida, o ser bem-falante, honesto e apaixonado. O que atrai as pessoas é a sua forma de viver, despreocupada e sem compromissos. Nada o prende, nada o detém, nem mesmo as masmorras de Veneza, de onde conseguiu fugir.
Em Bolzano, Casanova vai ver-se obrigado a questionar a sua forma de vida. Vai ter de avaliar se ainda se sente feliz assim, se lhe falta alguma coisa, se chegou a hora de mudar. Casanova, na introspecção que vai fazer vai perceber que amou, que ainda ama e que, muito provavelmente continuará a amar sempre. Descobre em si essa capacidade e fica surpreendido. Não se sabia capaz de tal sentimento. Estará ele preparado para abdicar de tudo por esse amor? Será ele capaz de aceitar o amor incondicional, de alguém que não exige nada em troca, que está disposta a diminuir-se, apenas para poder estar junto dele? Alguém que conhece a sua essência, que não exige que ele mude radicalmente para a incluir na sua vida. Quererá Casanova assumir esta responsabilidade?

Embora goste muito de Sándor Marái, parece-me que os últimos livros que tenho lido dele me têm prendido menos. Não me sinto muito ligada aos temas, não crio empatia com as personagens e sinto-me meio desligada da leitura. A Conversa de Bolzano, infelizmente não foi o livro que me reconciliou com Sándor Marái. É um livro que se lê bem, sem grande esforço, no entanto, tenho noção de que é um livro que não me ficará na memória.
Há partes do livro que achei verdadeiramente aborrecidas e outras cujo conteúdo me fez sentir agastada e a pensar que o tema do amor arrebatador, onde a mulher se rebaixa para o homem superior a quem nada se pode exigir em troca é coisa do passado. Talvez seja um livro que não tenha resistido tão bem à passagem do tempo, não sei. Talvez seja demasiado datado e por isso tenha sentido alguma alienação e desapego à relevância do tema.
Não deixo de reconhecer a beleza da escrita e da forma mais artística como o livro está escrito mas não foi suficiente para me agarrar enquanto leitora.

Recomendo por ser Sándor Márai, o autor de dois dos livros mais surpreendentes que já li, A Herança de Eszter (opinião aqui) e As Velas Ardem Até ao Fim (opinião aqui).

Boas leituras!


Excerto (pág.126):
" - Não achas, estrangeiro, que há uma espécie de homens a que não se pode dar a felicidade? Talvez seja justamente por isso que eu o amo. Há uma espécie de homens cuja virtude, cujo encanto, cuja atração residem na sua completa incapacidade de serem felizes, homens de todo surdos à felicidade, e que, da mesma maneira que os surdos não ouvem a doçura da música, desconhecem a doçura da felicidade... Tens razão, ele nunca foi feliz. E contudo, vê lá tu, esse homem que é apesar de tudo o meu, diante de Deus e diante dos outros homens, também não descobriu a felicidade noutro lado, apesar de a ter procurado sem descanso, durante cinquenta anos, como o pesquisador de ouro procura o tesouro enterrado no seu próprio jardim, esquecido do lugar do esconderijo. Passou a vida toda a cavar à volta de nós... Viajou à procura de felicidade; eu vendi os meus anéis e enfeites para ele poder viajar, pois, podes crer-me, eu não queria outra coisa que não fosse vê-lo feliz: ele que descubra a felicidade, pensava eu, a bordo de um navio, sobre as águas ou em cidades estrangeiras, ou ainda e até nos braços de mulheres negras ou amarelas, se for esse o seu destino... Mas ele voltava sempre para mim e sentava-se ao meu lado, pedia vinho, ou punha-se a ler, ou partia durante uma semana com uma criatura qualquer de cabelo pintado, de preferência uma atriz. (...) 
 - Sim, eu senti-o... Quando entrei neste quarto, senti que tu eras um homem dessa espécie. Talvez já o tivesse sentido lá em casa, antes de me pôr a caminho em plena tempestade de neve. Mas bem  vês, ele está tão só e tão triste... Há uma tristeza de uma espécie que não podemos consolar, é como se alguém chegasse sempre atrasado a um encontro divino e, depois disso, nada mais contasse a valer. Sabes muito mais sobre ti próprio do que ele, compreendo-o pela tia voz, vejo-o pelos teus olhos, sinto-o no teu ser. Porquê, Giacomo?... Que desgraça aconteceu aos homens assim? Talvez a razão seja para eles um castigo divino e eles conheçam os sentimentos e todas as emoções humanas não com o coração mas só com a razão?..."

março 31, 2018

O Amante Bilingue - Juan Marsé

Título original: El Amante Bilingüe
Ano da edição original: 1990
Autor: Juan Marsé
Tradução: Cristina Rodriguez e Artur Guerra
Editora:Publicações Dom Quixote

"O Amante Bilingue é a história de uma esquizofrenia singular e, sobretudo, a história de uma nostalgia: a nostalgia de ser outro, de exibir outra máscara, de enganar o espelho. Uma aventura grotesca e inverosímil que é também uma sátira irónica e feroz à dualidade social e linguística catalã, agravada pelas diferenças de classe."

Gosto de conhecer novos escritores. Gosto de não saber o que vou encontrar. Escolher um livro de um escritor nunca lido para mim é mais uma questão de instinto do que outra coisa. A mim, o que me leva a pegar num livro é capa e o título. E o que faz com que venha para casa com ele é essencialmente a capa, o título e o preço. Confesso que leio na diagonal a sinopse, apanho a ideia geral e decido: sim ou não. É tão superficial quanto isto. E não me tem corrido nada mal.

O Amante Bilingue, de Juan Marsé foi uma boa surpresa. O nome Juan Marsé não me era estranho. Um daqueles autores que ficam no nosso subconsciente e que um dia se sobrepõem a todos os outros.
É um livro escrito num tom divertido e que acaba por ser triste e de certa forma constrangedor que nos faz sentir mal por, ao mesmo tempo, nos querer fazer rir.

Joan Marés é um homem de ideias fixas, que se apaixona por uma mulher mais nova e que vem de um estrato social muito diferente do seu. Marés vai vivendo feliz até ao dia em que apanha a mulher com um engraxador, alguém muito abaixo da sua classe.
Ela sai de casa e nunca mais o procura, sem qualquer arrependimento e sem qualquer remorso. Ele fica e nunca mais é o mesmo.
Passa a viver obcecado por Norma, toda a sua vida passa a girar em torno dela e da ideia que criou dela. Ao longo da história vamos percebendo que Marés ama uma Norma que na realidade não existe, talvez nunca tenha existido a não ser na sua cabeça. Ama a ideia, ama o que ela representa e, acima de tudo, ama a pessoa que gostaria de ter sido com ela.  

Passam-se uns anos desde que Norma saiu da sua vida e vamos encontrar Marés desfigurado, a ganhar a vida a tocar acordeão na rua, como um mendigo. Toca em sítios onde sabe que vai poder ver Norma. Sabe que ela não o vai reconhecer, mudou tanto desde que ela o deixou...
No dia em que Norma o deixou, Marés perdeu qualquer coisa, perdeu-se a ele, perdeu a sua auto-estima, perdeu a vontade de ser ele. Sonha ser outro homem, um que vá de encontro ao gosto de Norma, um homem auto-confiante, vivido e irresistível. Nos seus sonhos começa a surgir uma personagem, a quem deu o nome de Faneca, o nome do seu amigo de infância. Companheiro de misérias e brincadeiras. Marés começa a pensar em Faneca como a sua oportunidade para reconquistar Norma. O Faneca de hoje não é senão o próprio Marés, uma personalidade alternativa que aos poucos vai tomando conta da vida de Marés. Aos poucos a personalidade de Faneca vai empurrando o inseguro Marés para longe. E à medida que Faneca se vai tornando mais dominante, parece que o pequeno mundo de Marés se vai tornando maior. Dá-se uma espécie de regresso às origens, ao sítio onde cresceram e começa a existir vida para além de Norma. A angústia e a confusão permanente de Marés, parece atenuar-se quando coloca a lente de contacto verde e veste o fato das riscas. A vida parece mais fácil quando Marés se esquece dele próprio.

O Amante Bilingue é mais do que a luta de Marés, entre o que se é e o que se gostaria de ser. Esta luta representa a dualidade que se vive em Barcelona. Dualidade linguística, numa cidade dividida entre o catalão e o castelhano. Uma cidade dividida entre duas nacionalidades e duas identidades muito distintas. Onde "something in between" não é aceite, ou és catalão ou és espanhol. E se sentes que não pertences de forma inequívoca a um dos lados corres o risco de enlouquecer ao viveres numa luta constante contigo mesmo, até à exaustão.

Gostei muito da escrita de Juan Marsé e da forma como nos vai contando a história de Marés. Gostei muito das personagens e da envolvência que consegue criar. Este vai ser um escritor a repetir, definitivamente.

Recomendo sem qualquer reserva.

Boas leituras!


Excerto (pág. 146):
"Ao atravessar o portão do gradeamento, Marés enfrentou o ruidoso trânsito da avenida e sentiu uma ameaça de vertigem. Durante brevíssimos instantes sofreu a sensação de não ser ninguém e de se encontrar em terra de ninguém. Olhou para trás para ver o parque anoitecido, amodorrado sob uma ténue neblina. As luzes da casa brilhavam serenas e remotas entre as árvores, como na outra margem da vida. Apoiou a mão no dragão alado da grade de ferro e deixou escapar um profundo suspiro. A sua atuação perante Norma não o tinha divertido nada e interrogava-se sobre a razão. Não por ela não ter olhado com bons olhos: a ardente sociolinguista cairia nos braços experientes do murciano, maldita seja, era apenas uma questão de tempo. Mas o que ele se propunha não seria, no fundo, pôr os cornos a si mesmo? A ideia fê-lo extraviar-se um pouco mais naquela terra de ninguém e depois sorriu. E porque não?, disse a si próprio: se outros mos puseram durante anos, eu também o posso fazer, isto é, esse grande fantasma chamado Faneca.
Com a mão procurou atrás de si a língua retorcida na boca do dragão e apoiou-se nela; então, voltou a sentir a cabeça embotada e a alma amarga como se sofresse a ressaca de um sonho mau. De repente recordou a tangerina podre que num dia distante ali esteve enfiada, na língua do dragão, e voltou-lhe à boca o sabor azedo. No entanto, apesar da fome que em criança tinha passado, não se lembrava de ter comido aquela tangerina. Comeu-a Faneca, que ainda tinha mais fome do que eu, disse a si mesmo. Uma borboleta nocturna de asas brancas revoou em torno dele e chocou várias vezes na cabeça do dragão apertada contra o gradeamento de ferro."

janeiro 17, 2018

[Kindle] The Girl on the Train - Paula Hawkins

Título original: The Girl on The Train
Ano da edição original: 2015
Autor: Paula Hawkins
Editora: Riverhead Books

"Rachel catches the same commuter train every morning. She knows it will wait at the same signal each time, overlooking a row of back gardens. She's even started to feel like she knows the people who live in one of the houses. 'Jess and Jason', she calls them. Their life - as she sees it - is perfect. And then she sees something shocking..."

Depois de ter passado a febre que rondava A Rapariga no Comboio, achei que já tinha condições para o ler sem ser influenciada por tudo que se dizia sobre o livro. 

A Rapariga no Comboio é uma espécie de thriller psicológico bastante bem conseguido. 
Rachel é uma jovem mulher que nos é apresentada por todos à sua volta como alcoólica, emocionalmente desequilibrada, obcecada pelo ex-marido, mentirosa e violenta. No entanto, à medida que vamos conhecendo a história que a própria Rachel nos vai contando algo parece  não bater certo.
Rachel tem um problema com a bebida, não há dúvidas quanto à isso. Bebe até perder os sentidos e, quando recupera a consciência, pura e simplesmente não se lembra de nada do que aconteceu. Onde esteve, com quem e o que fez. Horas e horas da sua vida completamente apagadas da sua memória. O pior é que, nessas alturas o mais provável é que tenha regressado à sua antiga casa, onde agora o ex-marido vive com a atual família, a mulher e a filha. A atual mulher de Tom não a suporta e já fez queixa à policia. Tom parece tentar desculpar o comportamento de Rachel, tenta afastá-la mas ao mesmo tempo  parece continuar a preocupar-se com ela. 

Rachel está desempregada mas apanha apanha o comboio, todos os dias, como se fosse trabalhar. Todos os dias o comboio pára durante alguns segundos, às vezes minutos, num sinal, o que lhe permite observar as casas da rua onde morava. Há uma casa em particular que lhe desperta a atenção. Nela, todos os dia, ela observa um jovem casal, cuja vida ela de certa forma inveja. São jovens, bonitos e parecem apaixonados. A vida que ela consegue vislumbrar do seu lugar à janela do comboio parece-lhe perfeita. Não os conhece e por isso baptizou-os. Para ela são a Jess e o Jason e são tudo aquilo que desejou para ela e para Tom e que Anna conseguiu roubar. 
Rachel é uma mulher profundamente triste, sozinha e confusa. Vive entre a vontade de prosseguir com a sua vida e o desejo doentio de se manter perto de Tom.
Um dia, depois de mais uma noite complicada, ouve nas notícias que Jess está desaparecida. Rachel não faz ideia do que aconteceu, mas na noite anterior, a última lembrança que tem é de ter saído na estação de Witney, a estação que a leva à rua da qual parece não conseguir afastar-se. Ela não se lembra de nada, mas tem um mau pressentimento sobre aquele fim de tarde. Acha que não está a conseguir lembrar-se de algo muito importante. 
O que será que incomoda tanto Rachel? Porque é que tudo o que lhe dizem que ela faz quando está alcoolizada lhe parece tão desfasado do que ela sente? Rachel tem dificuldade em reconhecer-se naquela pessoa. A confusão é tanta, as perdas de memória de tal maneira graves que já nem Rachel sabe quem é.

Paula Hawkins conta-nos uma história onde nem tudo o que parece é. Gostei da escrita dela e da forma como nos vai envolvendo na história de Rachel. A confusão e a tristeza desta mulher são quase palpáveis. Mesmo com tudo o que se dizia dela, não deixamos de criar empatia com ela e queria muito que tudo lhe corresse bem.

Gostei bastante. Acho que Paula Hawkins é bem capaz de entrar para a minha lista de escritores a seguir. :) 

Recomendo sem qualquer hesitação e sem qualquer restrição. 

Boas leituras! 

Excerto:
"Something happened, I know it did. I can't picture it, but I can feel it. The inside of my mouth hurts, as though I've bitten my cheek, there's a metallic tang of blood on my tongue. I feel nauseated, dizzy. I run my hands through my hair, over my scalp. I flinch. There's a lump, painful and tender, on the right side of my head. My hair is matted with blood."

janeiro 03, 2018

O Luto de Elias Gro - João Tordo

Título original: O Luto de Elias Gro
Ano da edição original: 2015
Autor: João Tordo
Editora: Companhia das Letras

"Numa pequena ilha perdida no Atlântico, um homem procura a solidão e o esquecimento, mas acaba por encontrar muito mais.
A ilha alberga criaturas singulares: um padre sonhador, de nome Elias Gro; uma menina de onze anos perita em anatomia; Alma, uma senhora com um coração maior do que a ilha; Norbért, um velho louco que tem por hábito vaguear na noite; e o fantasma de um escritor, cuja casa foi engolida pelo mar.
O narrador, lacerado pelo passado, luta com os seus demónios na local que escolheu para se isolar: um farol abandonado; à mercê dos caprichos da natureza - e dos outros habitantes da ilha. Com o vagar com que mudam as estações, o homem vai, passa a passo, emergindo do seu esconderijo, fazendo o seu luto e descobrindo, numa travessia de alegria e dor, a medida certa do amor.
O Luto de Elias Gro é o romance mais atmosférico de João Tordo, um mergulho na alma humana, no que ela tem de mais obscuro e luminoso."

O Luto de Elias Gro é o primeiro livro da "trilogia dos lugares sem nome". O primeiro lugar sem nome é uma pequena ilha no meio do Atlântico onde todos os seus habitantes são de certa forma peculiares. Alguns nasceram na ilha e nela viveram toda a sua vida, outros foram lá parar depois de algum acontecimento trágico nas suas vidas e por lá ficaram, lá viveram e morreram.

O narrador, personagem sem nome, desta história é um dos que foi para a ilha à procura do natural isolamento que um farol desactivado lhe poderia trazer. Procurava um sítio onde não tivesse de falar com outras pessoas, onde ninguém o conhecesse e onde ninguém estivesse interessado em conhecê-lo. Queria liberdade para poder afogar todas as suas mágoas e enfrentar todos os seus demónios sem ser julgado.
No entanto, nem todos os habitantes da ilha estão interessados em respeitar a vontade do novo inquilino do farol. O padre, que não é padre, Elias Gro, faz os possíveis para que ele se sinta acolhido, obrigando-o a participar na vida da pequena comunidade.
É desta forma que conhece Cecília, a filha de Elias Gro. Cecília é uma menina de onze anos, muito perspicaz e inteligente, que cresceu muito sozinha na ilha, sem mais crianças para brincar, embora frequente a escola no continente. É uma miúda sedenta de atenção e parece encarar o mau humor do nosso narrador, que chega a ser ofensivo e violento com a pequena Cecília, como um desafio. Percebemos logo que ele gosta muito da miúda, que a acha peculiar no bom sentido e divertida. A presença de Cecília faz-lhe bem, mas também lhe traz lembranças do seu passado com as quais ainda não consegue lidar.
Ao longo do livro vamos acompanhando o processo de luto do narrador. Vamos conhecendo o que o levou a procurar isolar-se do mundo, num farol perdido numa ilha perdida no meio do Atlântico. Descobrimos um homem que perdeu tudo e que não sabe lidar com isso. Refugia-se na bebida e torna-se uma pessoa desprezível. Quer afastar de si toda e qualquer manifestação de bondade, não se sente merecedor da compaixão dos outros. Quanto mais os habitantes da ilha o tentam incluir,  mais ele os afasta. A única pessoa que parece conseguir, de alguma forma, criar brechas na barreira protectora que criou à sua volta, é Cecília.

Todos naquela ilha têm problemas, todos eles conhecem a perda e vivem com ela e, todos têm diferentes maneiras de fazer o luto. Todos eles encontraram formas de continuar a viver depois da morte. O nosso narrador também vai acabar por sair do buraco escuro e fundo para onde foi quando a vida lhe pregou uma partida. A viagem não será fácil e levará algum tempo até que ele consiga ver para além da sua própria dor.

Já há algum tempo que não lia João Tordo e confesso que me estava a fazer alguma falta. :)
O Luto de Elias Gro é de certa forma diferente do que tenho lido do João Tordo. Os anteriores estavam envoltos em mistério, em segredos por desvendar. Este é definitivamente mais introspectivo. Procura provocar em quem lê, alguma da dor, raiva, tristeza, angústia e impotência que o narrador sente nos diversos estágios do seu luto.
Embora pareça e, de certa forma, seja um livro pesado, está escrito com algum sentido de humor que aligeira um pouco a atmosfera mais negra da história.

Resumindo e baralhando, gostei da história e das personagens e gosto sobretudo da forma como João Tordo nos conta esta história.

Só posso recomendar!

Boas leituras! :)



Excerto (pág.168):
"Eu respirava com dificuldade, alguma coisa parecia ter-se alojado na minha traqueia. A memória das vozes ao telefone e da vigília afrontava-me; dentro de mim, um animal ferido raspava ferozmente o chão de gravilha com unhas retrácteis, e uivava, procurando sair da toca.
Tenho pena é das lesmas, disse Cecília. E das lagartas. Não têm como se proteger.
As lagartas fartam-se de ser lagartas e fazem uma casinha nojenta de baba, disse eu. E depois transformam-se em borboletas, e toda  a gente gosta de borboletas. Nunca vi ninguém fazer mal a uma borboleta. Quando muito, espalmam-nas no meio das páginas de um livro, para sempre. É uma vida bestial. Muito melhor do que a nossa.
As lagartas esvaziam o estômago e segregam uma enzima que forma uma crisálida, disse Cecília, em tom de correcção.
És muito esperta, ripostei. Aposto que te dizem isso na escola. Lembras-te dessas coisas todas, nada te escapa, pois não?
A diferença é que nós, ao contrário das lagartas, somos muito mais como os cães. Vida de cão, é assim que se diz. Sabes porquê? Porque a nós ninguém nos dá nomes em latim nem nos espalma entre as páginas de um livro, para que a nossa beleza fique preservada para sempre. Não existe filatelia humana.
Lepidopterologia.
O quê?
Filatelia é coleccionar selos. Lepidopterologia é como se chama à ciência dos insectos.
E que tal coleccionar borboletas? Serve-te? Ou precisas de saber dezenas de palavras impronunciáveis das quais te irás esquecer assim que começares a crescer?
Cecília desviou o olhar para a janela. Parecia magoada. Irado, eu escutava o meu próprio tom de voz, a roçar a violência, e percebi que estava fora de mim. Aquela versão chegara com a força e imprevisibilidade das tempestades: quanto mais olhava para a rapariga, mais desejava anulá-la. (...) Olhava para Cecília e via uma outra, que não era Cecília, alguém de que ainda não vos falei (porque não consigo, não sou capaz); alguém que não existe e, todavia, é a figura central destas páginas. O fantasma de Banquo sentado à mesa real."

novembro 23, 2017

[Kindle] Pássaros Feridos - Colleen McCullough

Título original: The Thorn Birds
Ano da edição original: 1977
Autor: Colleen McCullough
Tradução: Octávio Mendes Cajado
Editora: Bertrand Editora

"Um dos romances mais lidos e apreciados de todos os tempos, Pássaros Feridos é uma saga de sonhos, paixões negras e amores proibidos. Passada na Austrália, percorre três gerações de um indomável clã de rancheiros cujas vidas vão ganhando contornos numa terra dura mas de grande beleza ao mesmo tempo que vão lidando com a amargura, a fragilidade e os segredos da sua família. Uma apaixonante história de amor, um intenso épico de luta e sacrifício, uma celebração da individualidade e do espírito. É sobretudo a história de Meggie e do padre Ralph de Bricassart - e da intensa ligação de dois corações e duas almas ao longo de uma vida inteira, numa relação que ultrapassa perigosamente as fronteiras sagradas da ética e do dogma."

Pássaros Feridos é um daqueles livros seguem a história de uma família, os Cleary, quase desde o seu nascimento até à morte.
A história começa na Nova Zelândia, com os Cleary, uma família de tosquiadores de carneiros. Paddy e Fee são casados e têm 6 filhos. Meggie é a única menina na família Cleary. Era uma criança curiosa, inteligente e muito bonita, com a cabeça cheia de canudos dourados como o sol. 
Não se pense, no entanto que, por ser bonita e a única menina da família era tratada de maneira muito diferente. Era castigada como os irmãos, principalmente pela mãe, que a tratava de forma mais rude por ser uma menina. As duas tinham uma relação tensa e com muito poucas demonstrações de amor. O pai tinha-lhe um carinho especial e o irmão mais velho, Frank protegia-a, sempre que possível, de todos os contratempos.

Quando a irmã de Paddy, Mary Carson, milionária, viúva e doente, lhe pede que venha com a família viver para junto dela e ajudá-la a cuidar de Drogheda, a fazenda que promete, será deles quando morrer, os Cleary não têm como recusar e mudam-se de malas e bagagens para a Austrália. E aqui começa um novo capítulo na vida desta família.
Drogheda são quilómetros e quilómetros de terra onde Mary é dona de milhares e milhares de carneiros. A fazenda situa-se numa zona inóspita da Austrália, onde a natureza é inclemente, com períodos de seca extrema seguidos de verdadeiros dilúvios. A família, principalmente Meggie e a mãe, sentem alguma dificuldade em ambientar-se ao clima, à humidade, aos insectos e ao pó que parece não ter fim. Estranham o isolamento.
A única visita regular da casa grande é Ralph de Bricassart, o jovem, ambicioso e sedutor padre de Gillanbone, a cidade mais próxima de Drogheda.
Ralph de Bricassart é a primeira pessoa que os Cleary conhecem quando chegam. É ele que os vai receber à estação de comboio de Gillanbone e os leva até à fazenda de Mary Carson.
Dono de uma beleza e carisma irresistíveis, cativa todos com o seu à vontade e disponibilidade.
Simpatiza de imediato com todos os Cleary, mas desenvolve um carinho especial pela surpreendente Meggie, na altura com nove anos. Fascinado com ela desde a primeira vez que a viu, passa a ser o seu melhor, e único, amigo, e o seu mais fervoroso protector.

O tempo passa, a família cresce, uns nascem outros morrem, e a vida continua em Drogheda.
Meggie cresce e torna-se numa mulher encantadora, cobiçada pelos jovens das fazendas vizinhas. Meggie cresceu isolada, sem contacto com outras meninas da sua idade e a mãe não perdeu tempo a prepará-la para a vida adulta. E é por isso que, na cabeça dela, tudo é mais simples do que na vida real. Apaixonada pelo padre Ralph, sabendo-se correspondida, não percebe porque não podem ser felizes os dois. Ralph de Bricassart, vive atormentado, dividido entre a sua vocação e ambições pessoais e o que sente, de forma muito intensa pela sua doce Meggie.

A personagem da Meggie, as suas escolhas, os seus dramas e as suas alegrias, vão servir de motor para o desenvolver da história. Não sei se vale a pena entrar em mais pormenores sobre a vida dela e sobre o que o futuro lhe reservou.

Pássaros Feridos permite-nos conhecer um bocadinho da Austrália, um país imenso, dono de uma natureza dura e implacável, que tornou todos os seus habitantes pessoas mais ou menos rudes, com uma capacidade de resistir às adversidades acima da média. Uma terra bonita, que se entranha nos ossos de cada uma das personagens, que os prende e os define. Não querem, ou não conseguem, viver noutro lado.
Fala também de religião e do impacto que pode ter na vida das pessoas e do mundo. Uma religião feita por homens, que arrasta, por isso, todos os defeitos que nos são, de certa forma, inatos.
Fala de amor, de família, do papel da mulher na sociedade e da importância da educação.
Fala de muitas outras coisas, é um livro grande, havendo espaço para tudo.

Posto isto, não tenho a certeza de ter gostado muito deste livro ou da forma como é contada a história. Não consigo explicar, mas nota-se que é um livro de época, que aborda os temas de forma mais tradicional. Não sei se me fiz entender.
Gostei da história até Meggie se tornar uma jovem adulta, com 16, 17 anos. A seguir todo o livro me pareceu um romance de cordel, de amores proibidos. A história voltou a agarrar-me na fase adulta de Meggie, casada, mulheres independente e cheia de convicções. O interesse voltou a esmorecer na fase adulta dos filhos de Meggie, por ter voltado a sentir que a história era um pouco tonta... Talvez tenha tido alguma dificuldade em identificar-me com as personagens, não sei.

Resumindo e baralhando, não foi a minha leitura do ano, mas é um livro que tem muitas coisas boas que julgo, compensam as que, para mim, foram mais enfadonhas. Gostei especialmente dos cenários e de me permitir conhecer um bocadinho da Austrália.
Por isso, e embora não tenha ficado fã da escrita e não me tenha sentido suficientemente arrebatada para que Colleen McCullough entre para a minha lista de escritoras a descobrir, acho que posso recomendar a leitura de Pássaros Feridos. Não é tempo perdido.

Boas leituras! :)

Excerto
"As palavras foram ditas num tom mais objetivo do que consolador. Meggie fez que sim com a cabeça, sorrindo com insegurança; às vezes, sentia uma grande vontade de ouvir a mãe rir, mas ela nunca o fazia. Pressentia que ambas compartilhavam de algo especial, não comum ao pai nem aos rapazes, mas não não conseguia chegar além daquelas costas rígidas, daqueles pés que nunca paravam.
A mãe acabou por concordar com um gesto ausente de cabeça e, com sacudidelas bruscas e hábeis, volteou as saias volumosas entre o fogão e a mesa, sempre a trabalhar, trabalhar, trabalhar."

As Aventuras de Ngunga - Pepetela

Título original: As Aventuras de Ngunga
Ano da edição original: 1972
Autor: Pepetela
Editora: Publicações Dom Quixote

"Escrito em 1972, numa época em que Angola vivia sob o jugo colonial, esta é a história de um jovem guerrilheiro do MPLA, de caráter determinado e reto, que se faz homem aprendendo a pensar pela própria cabeça. Uma história pungente é terna que não deixará nenhum leitor indiferente."


No dia em que Pepetela me desiludir vou ficar perdida.

Este é mais um pequeno grande livro de Pepetela que se lê num instante e nos enche o coração de angústias mas também de esperança no Homem e nas nossas capacidades.
Numa Angola em plena guerra com Portugal, Ngunga é um jovem guerrilheiro do MPLA. Ngunga é orfão,  como muitos naquela época. É querido por todos e é reconhecido pela rectidão, pela honestidade e pela boa-vontade. Não se limita a obedecer e questiona o que se passa à sua volta, sem ter medo da resposta.
As Aventuras de Ngunga é uma espécie de conto que se foca em temas como a importância da educação e da necessidade de todos questionarmos a verdade instituída. A importância do espírito crítico e de pensarmos pela nossa cabeça e não pela cabeça da pessoa com a patente mais elevada. Não devemos nunca perder a vontade de mudar o mundo, mesmo que seja apenas o mundo na nossa "aldeia".

Gostei muito como já seria de esperar e, naturalmente que recomendo.

Boas leituras!

Excerto:

(pág. 102)
"Oh, este Mundo está todo errado! Nunca se pode fazer o que se quer!
- Hei de lutar para acabar com a compra das mulheres - gritou Ngunga, raivoso. - Não são bois!
- Para isso precisas de estudar. Eu não sei sobre o alambamento. Se se faz, os meus avós ensinaram-me isso. Mas, se achas que está mal e que é preciso acabar com ele, então deves estudar. Como aceitarão o que dizes, se fores um ignorante como nós?"

(pág. 110)
"Talvez Ngunga tivesse um poder e esteja agora em todos nós, nós os que recusamos viver no arame farpado, nós os que recusamos o mundo dos patrões e dos criados, nós os que queremos o mel para todos.
Se Ngunga está em todos nós, que esperamos então para o fazer crescer?
Como as árvores, como o massango e o milho, ele crescerá dentro de nós se o regarmos. Não consigo água do rio, mas com ações. Não com água do rio, mas com a que Uassamba em sonhos oferecia a Ngunga: a ternura."

outubro 08, 2017

Os Livros Que Devoraram o Meu Pai - A Estranha e Mágica História de Vivaldo Bonfim - Afonso Cruz

Título original: Os Livros Que Devoraram o Meu Pai - A Estranha e Mágica História de Vivaldo Bonfim
Ano da edição original: 2010
Autor: Afonso Cruz
Editora: Editorial Caminho

"Vivaldo Bonfim é um escriturário entediado que leva romances e novelas para a repartição de finanças onde está empregado. Um dia, enquanto finge trabalhar, perde-se na leitura e desaparece deste mundo. Esta é a sua verdadeira história — contada na primeira pessoa pelo filho, Elias Bonfim, que irá à procura do seu pai, percorrendo clássicos da literatura cheios de assassinos, paixões devastadoras, feras e outros perigos feitos de letras."

Um livro pequeno mas cheio de grandeza. Um livro que parece ser para os mais pequenos mas que agarra os mais crescidos.

Os Livros que Devoraram o Meu Pai é um livro que se lê numa tarde, no meu caso, de praia. É um livro que me deixou de sorriso no rosto, talvez porque me lembra a infância de cabeça enfiada nos livros, muitas vezes sem me aperceber que estava escuro lá fora e que já mal conseguia vislumbrar as letras nas páginas.
Desenganem-se, no entanto, porque este não é um livro alegre, de todo. É um livro desconcertante mascarado de livro para pequenos leitores.

Fala da confusão que é a adolescência e a luta diária que é procurar o nosso lugar no mundo. Um sítio onde sejamos reconhecidos e amados pelo que somos e nada mais. 
É um livro sobre o passado e as memórias e sobre aprender a viver com os nossos erros e as nossas culpas. Ninguém é só bom e ninguém é só mau. Todos temos áreas cinzentas com as quais lutamos, ou não, todos os dias.

E é isto. É isto e mais uma coisas, o que já é muita coisa para um livro com tão poucas páginas!

Recomendo sem qualquer hesitação. Gostei da escrita do Afonso Cruz.

Boas leituras! :)

Excerto (pág. 125)

"Tenho 72 anos. Reli está história que escrevi já depois de fazer treze anos e que relata, com rigor, aquilo que se passou na minha juventude. Cometi muitos erros ao longo da vida, e agora resta-me, tal como Raskolnikov, rever o meu passado e tentar compreendê-lo como um cego a apalpar um elefante e, quem sabe, perdoar-me e aprender a viver com esse Mr. Hyde que aluga um apartamento na nossa cabeça. Quando penso no Bombo, choro. Mas na altura é difícil saber fazer as coisas certas."