outubro 08, 2018

Cama de Gato - Kurt Vonnegut

Título original: Cat's Cradle
Ano da edição original: 1963
Autor: Kurt Vonnegut
Tradução: Rosa Amorim
Editora: Bertrand Editora

"O doutor Felix Hoenikker, um dos «pais» da bomba atómica, deixou à humanidade um legado fatídico. Foi ele o inventor do gelo-nove, um químico letal capaz de congelar o mundo inteiro.
As investigações de John, o escritor que está a preparar uma biografia de Felix, conduzem-no aos três excêntricos filhos do cientista, a uma ilha nas Caraíbas onde se pratica a religião bokononista e, mais tarde, ao amor e à loucura.
Narrado com um humor desarmante e uma ironia amarga, este livro de culto acerca da destruição global é uma sátira hilariante e assustadora sobre o fim do mundo e a loucura dos homens."

Não conhecia este escritor, acho que nunca tinha ouvido falar nele e, por isso, não tinha quaisquer expectativas relativamente a este livro. Posso dizer-vos que foi uma descoberta das boas. A escrita é muito "natural", à falta de melhor definição, as personagens muito bem desenvolvidas, e a história é contada de uma forma divertida e descontraída, embora o assunto seja muito pouco descontraído.

Cama de Gato leva-nos a conhecer o lado mais privado de um dos pais da bomba atómica, o Dr. Felix Hoenikker (fictício), viúvo e pai de três filhos, Frank, Angela e Newt. Felix Hoenikker é um cientista de renome, um dos melhores da sua geração, e é exactamente como esperamos que seja, o estereótipo de um génio.
É uma mente brilhante, altamente focado no trabalho que desenvolve, distante do mundo real e da família e sem grandes preocupações acerca das potenciais aplicações e implicações daquilo que inventa ou desenvolve. 
Creio que este é mais o estereótipo cinematográfico de um cientista do que propriamente a realidade, no entanto se nos pedissem para descrever o pai da bomba atómica, provavelmente não seria muito diferente do Dr. Felix Hoenikker descrito neste livro.

John, o narrador, inicia a aventura da vida dele quando decide escrever um livro sobre um dos pais da bomba atómica. A ideia é dar a conhecer ao mundo o cientista, tendo como ponto de partida, o que estaria Felix Hoenikker a fazer no dia em que os EUA lançaram a bomba atómica sobre o Japão. À procura de informações, John escreve uma carta a cada um dos três filhos do cientista, a explicar qual era a sua ideia e se o podiam ajudar.
E assim começa a grande viagem de John pela história de Felix Hoenikker e pela vida dos filhos deste, depois da morte do pai.

John vai, de coincidência em coincidência, construindo o caminho que o leva a San Lorenzo, uma ilha nas Caraíbas, onde encontra os três filhos do cientista, descobre o amor, o bokononismo e o Gelo Nove, a última invenção do Dr. Felix Hoenikker, algo que poderá destruir a humanidade e toda a vida na Terra. 
E o que é o bokononismo? É uma religião, inventada, pelo inglês Lionel Boyd Johnson, rebaptizado Bokonon, que naufragou na ilha de San Lorenzo durante a 1ª Grande Guerra.
No Bokononismo tudo é mentira. As mentiras são assumidas, enaltecidas e necessárias à felicidade de todos os seus praticantes. :) É uma religião pacífica e um dos seus rituais mais acarinhados consiste em duas pessoas esfregarem as solas dos pés entre si. :)
A ilha de San Lorenzo é governada por um ditador e, embora a prática do bokononismo seja proibida e punível com a morte no gancho, todos os habitantes da ilha são bokononistas, inclusive o ditador. :)

Cama de Gato é um livro que devem ler. É um livro com um sentido de humor com o qual me identifico muito, sobre a estupidez humana. A certeza de que seremos responsáveis pela nossa própria extinção é uma verdade quase científica, só não temos forma de saber quando nem como.

Kurt Vonnegut foi uma grande descoberta e o bokononismo também e por isso só posso recomendar sem quaisquer reservas.

Boas leituras!

Excerto (pág. 14):
"Não pretendo que este livro seja um tratado a favor do bokononismo. Gostaria contudo de fazer uma advertência bokononista em relação a ele. A primeira frase de Os Livros de Bokonon é a seguinte:
«Todas as verdades que estou prestes a contar-vos são mentiras descaradas.»
A minha advertência bokononista é:
Uma pessoa que não consiga perceber como é possível que uma religião útil se baseie em mentiras também não compreenderá este livro.
Assim seja."

setembro 15, 2018

[Kindle] Jesus Cristo Bebia Cerveja - Afonso Cruz

Título original: Jesus Cristo Bebia Cerveja
Ano da edição original: 2012
Autor: Afonso Cruz
Editora: Penguin Random House Grupo Editorial Portugal

"Uma pequena aldeia alentejana transforma-se em Jerusalém graças ao amor de uma rapariga pela sua avó, cujo maior desejo é visitar a Terra Santa. Um professor paralelo a si mesmo, uma inglesa que dorme dentro de uma baleia, uma rapariga que lê westerns e crê que a sua mãe foi substituída pela própria Virgem Maria, são algumas das personagens que compõem uma história comovente e irónica sobre a capacidade de transformação do ser humano e sobre as coisas fundamentais da vida: o amor, o sacrifício, e a cerveja."

O meu primeiro contacto com Afonso Cruz foi o pequeno grande livro Os Livros Que Devoraram o Meu Pai - A Estranha e Mágica História de Vivaldo Bonfim (a minha opinião aqui), e que me despertou a curiosidade para outras obras dele. 
Jesus Cristo Bebia Cerveja é, naturalmente diferente, até porque é direccionado para outra faixa etária, no entanto gostei. Identifico-me com a escrita e com a forma como a história é contada e Afonso Cruz entrou, definitivamente, no meu radar. Adoro ler novos escritores, gostar do que escrevem e ter a oportunidade de ir descobrindo tudo o que já fizeram e irão fazer.

Jesus Cristo Bebia Cerveja é um livro que se lê bem, com uma história não muito óbvia e "normal". Embora esteja escrito com algum sentido de humor, o título já nos faz esperar algo do género, não é uma leitura de verão, levezinha e inconsequente. Julgo que a sinopse resume muito bem o livro, é uma história comovente e irónica sobre o amor, o sacrifício, e a cerveja. :)

Se ainda não conhecem Afonso Cruz, aconselho vivamente que o façam. Original e divertido é o que me ocorre quando penso nos livros, poucos, que li dele. 

Recomendo sem hesitações.

Boas leituras! :)

Excerto:

"Miss Whittemore dorme dentro de um cachalote que um antepassado seu caçou nos mares do Sul. A ossada da baleia mede dezasseis metros e a sua cama, instalada entre as costelas, tem quase três metros de comprimento. Quando acorda, bem como ao deitar, bebe um chá de jasmim-pérola importado de Singapura, com duas gotas de leite de burra e outra de leite de porca. Veste-se e penteia-se antes de descer para o salão. 
A casa principal tem dois andares, mas Miss Whittemore é dona de toda a aldeia. Na década de 1980, quando a povoação era habitada por apenas um casal, Miss Whittemore comprou todas as casas do lugar, todos os terrenos rurais e urbanos. Deu início à recuperação dos edifícios e, quando viu terminado o restauro, encomendou habitantes, a maioria de zonas limítrofes. Quis juntar à aldeia algumas personagens de relevo intelectual, por isso achou que seria edificante mandar vir um sábio hindu e um feiticeiro yorubá, acrescentando a estes um padre (que morreu após o primeiro almoço na aldeia) e o professor Borja, a contraparte laica e ateia. A desculpa ecléctica é a educação humanista, contudo, são apenas um disfarce para as saudades que têm das colónias e dos lugares em que viveu na sua infância, nomeadamente a Índia e a África Ocidental."

setembro 09, 2018

[Kindle] Alias Grace - Margaret Atwood

Título original: Alias Grace
Ano da edição original: 1996
Autor: Margaret Atwood
Editora: Anchor

"It's 1843, and Grace Marks has been convicted for her involvement in the vicious murders of her employer and his housekeeper and mistress. Some believe Grace is innocent; others think her evil or insane. Now serving a life sentence, Grace claims to have no memory of the murders. An up-and-coming expert in the burgeoning field of mental illness is engaged by a group of reformers and spiritualists who seek a pardon for Grace. He listens to her story while bringing her closer and closer to the day she cannot remember. What will he find in attempting to unlock her memories? Captivating and disturbing, Alias Grace showcases bestselling, Booker Prize-winning author Margaret Atwood at the peak of her powers."

Acho que nunca me tinha cruzado com nada de Margaret Atwood até ter começado a ver Handmaid's Tale, uma adaptação do livro, com o mesmo nome, desta escritora canadiana. A série é muito boa e por ser tão boa achei por bem tentar conhecer a escritora. Tendo em conta a vasta obra de Margaret Atwood, pareceu-me redundante estar a ler Handmaid´s Tale, A História de uma Serva, na edição portuguesa e praticamente dos únicos livros editados por cá e por isso acabei por comprar este Alias Grace para ler no Kindle.


Tendo em conta a história de Handmaid's Tale, acho que estava à espera que Alias Grace fosse semelhante. Na verdade é diferente do que estava à espera e, embora não tenha sido o que, por algum motivo, achei que ia ser, foi muito bom ter descoberto Margaret Atwood.

Alias Grace é a história de uma rapariga, Grace Marks, irlandesa e a filha mais velha de uma família numerosa. Conhecemos Grace quando toda a família parte para a América em busca de uma vida melhor do que a que a Irlanda do século XIX tinha para lhes oferecer. Partem de barco, naquela que iria ser a viagem que mudou a vida da pequena Grace para sempre.
A mãe não resiste à viagem até ao Canadá e Grace vê-se, num país estranho, responsável por cuidar dos irmãos mais pequenos e por aguentar o temperamento difícil do pai.
Para fugir a uma vida miserável onde o pai lhe ficava com todo o dinheiro que ganhava como criada, Grace aceita servir numa casa mais afastada da família. Ali acaba por conseguir ganhar alguma independência e conhece Mary Whitney, que se torna a sua primeira e única amiga. Mary Whitney, pouco mais velha que Grace, acaba por ser a única referência feminina na vida de Grace, depois da morte da mãe.
Grace é apenas uma miúda, bonita, responsável, educada, inocente e sem grandes ambições. Procura ganhar a vida de forma honesta e talvez a única coisa que sabe que não quer para si é uma vida igual à da sua mãe. Não pensa em casar, muito menos com um homem como o pai.
Os dias vão passando sem grandes sobressaltos, entre o trabalho e as gargalhadas com Mary, e Grace sente-se quase feliz. Até que um dia alguma coisa muda em Mary e, sem contar demasiado sobre a história, Grace vê-se novamente sozinha, sem a sua única amiga e, sem nada que a prenda àquela cidade. É por isso que aproveita a visita de uma ex-criada da casa, Nancy Montgomery, e parte com esta para servir na quinta de Thomas Kinnear, onde Nancy trabalha como governanta.

Nesta fase da leitura, já sabemos que Grace Marks se encontra presa, acusada de ter sido cúmplice no assassinato de Nancy Montgomery e Thomas Kinnear e é a própria que conta a sua história ao Dr, Simon Jordan, um médico interessado em aprofundar conhecimentos sobre saúde mental.
Embora muita gente acredite que Grace foi efetivamente culpada pela morte violenta de Nancy e Thomas, muitos outros têm dificuldade em aceitar que a doce Grace tenha sido capaz de tamanho acto de violência. A própria Grace não se recorda de praticamente nada do que aconteceu naquele dia.
O que aconteceu naquele dia e, será Grace Marks inocente ou culpada, são as perguntas que nos perseguem durante a leitura, A primeira será, mais ou menos respondida. A segunda não terá uma resposta taxativa. Para além de a culpa e inocência poderem ser conceitos muito subjectivos, acho que Margaret Atwood deixou, propositadamente, essa ambiguidade no ar, porque na realidade não é um tema fácil de se julgar e para o qual não existem, mesmo à luz dos conhecimentos atuais, regras que definem sem margem para dúvidas que alguém é culpado ou inocente, podendo até ser ambos.
Gostei bastante da escrita de Margaret Atwood, da forma como foi desenrolando a história de Grace, contada por ela própria, sendo que, ao longo de praticamente todo o livro não sabemos os pormenores da condenação de Grace e se ela é culpada ou inocente. Às vezes achamos que é culpada, outras achamos que é inocente e no fim... bem, no fim continuamos sem saber ao certo no que acreditar.
O livro faz um retrato interessante da época, do papel que a mulher ocupava na sociedade, principalmente as mulheres de classes sociais, ditas inferiores, as que circulam nos bastidores da alta sociedade. As crenças e o desejo que estas mulheres tinham de uma vida melhor, de querer fugir ao destino das suas mães e das suas avós e de todas as mulheres que viveram antes delas, como se a pobreza fosse uma doença crónica e hereditária da qual não se consegue escapar.
A abordagem às doenças mentais, pouco estudadas na época, e ao funcionamento da nossa memória quando expostos a situações traumáticas e de grande stress, é muito interessante e leva-nos a olhar para este caso em particular de uma outra perspectiva. 

Em boa hora descobri esta escritora. Vou de certeza ler mais livros dela e por isso só posso recomendar.
Recomendo este Alias Grace e Handmaid's Tale, a série, porque ainda não li o livro, se tiverem oportunidade de ver não deixem de o fazer, porque é genuinamente e assustadoramente boa.

Boas Leituras!

Nesta minha opinião não vos vou deixar um excerto, deixo-vos antes três extras: :)

 - Descobri que existe uma mini-série, do Netflix, baseada neste livro, Alias Grace:



 - O próprio livro é baseado em factos reais. Em 1843, Thomas Kinnear e Nancy Montgomery foram assassinados por dois dos seus criados, Grace Marks e James McDermott. Toda a narrativa que Margaret Atwood constrói é ficcionada, mas estas pessoas efectivamente existiram.

 - Não deixem de ver Handmaid's Tale. É uma série da Hulu. A 1ª temporada, segundo sei, é uma adaptação fiel do livro de Margaret Atwood. A 2ª temporada, que estreou este ano, continua a história de June onde a escritora a deixou, na última página do livro.



setembro 06, 2018

História de um Cão Chamado Leal - Luís Sepúlveda

Título original:Historia de un perro llamado Leal
Ano da edição original: 2016
Autor: Luís Sepúlveda
Ilustrações: Paulo Galindro
Tradução: Helena Pitta
Editora: Porto Editora

"Afmau, que significa «leal e fiel» na língua mapuche, a língua da Gente da Terra, é o nome ideal para um filhote de pastor-alemão que, sobrevivendo à fome e ao frio da montanha onde nasceu, assim demonstra a sua enorme lealdade à vida. Na companhia de Aukamañ, um rapazinho mapuche, Afmau aprende a conhecer o mundo que o rodeia e a respeitar a diversidade da natureza.
Porém nem todos pensam da mesma forma: um bando de estrangeiros, com costumes estranhos aos da Gente da Terra, chega à aldeia onde Afmau vive, semeando o caos e o medo.
Condenado daí em diante a uma vida de servidão e crueldade, obedecendo a uma missão odiosa - perseguir e capturar todos os que se oponham ao bando de estrangeiros -, o destino acaba por proporcionar a Afmau uma derradeira oportunidade de redenção, numa fábula maravilhosa e naturalista onde Luis Sepúlveda reflete sobre o peso do passado e da memória, a força da amizade e da solidariedade e o respeito pela Terra e por todos quantos nela habitam."
 
Gosto muito destes livros do Luis Sepúlveda, mais virados para um público mais novo. As histórias são muito bonitas e cheias de amor e ensinamentos. Os livros, visualmente são lindos, apetece tocar e cheirar.
Mais uma vez, fiquei rendida às ilustrações de Paulo Galindro, acho que captam muitíssimo bem a história que se está a contar. Uma dupla vencedora, sem dúvida.

História de um Cão Chamado Leal, conta a história de Afmau, "leal e fiel" na língua mapuche, um pastor-alemão, que ainda cachorrinho se perdeu da sua família canina, tendo sido acolhido por Wenchulaf, chefe de uma tribo mapuche. Afmau cresceu, no seio desta sua nova família, tendo como companheiro inseparável, Aukamañ o neto de Wenchulaf. Com eles aprende viver em harmonia com a natureza e a respeitá-la.

Um dia a aldeia é invadida por estrangeiros, wingkas, interessados nos recursos naturais do sítio. Toda  a tribo é expulsa e Wenchulaf acaba por ser assassinado por estes wingkas, que levam Afmau com eles. A partir desse dia, Afmau vive preso e obrigado a caçar e ameaçar em nome dos wingkas que o roubaram. 
Quando um dia o chefe do bando de wingkas manda que siga o rastro de um índio "esperto, desses que sabem ler e escrever. É muito novo, mas já anda a sublevar os mapuches e a incitá-los a recuperar as suas terras", Afmau percebe que se trata de Aukamañ. Entregar Aukamañ aos wingkas não é sequer uma hipótese, Afmau prefere morrer a permitir que isso aconteça. Talvez consiga iludir os wingkas e aproveitar a oportunidade para se reunir novamente com o seu companheiro de sempre. Talvez consiga...

É uma história bonita sobre a amizade, sobre a lealdade e sobre o respeito pela natureza, pelos animais. É uma história, sobre a importância de respeitarmos outras culturas e de aprendermos com elas. 

Gostei muito e recomendo sem reservas para pequenos e graúdos.

Boas leituras!

Excerto (pág.47):
"Juntos crescemos na cadência dos verões curtos e dos longos invernos austrais. Juntos, aprendemos com o velho Wenchulaf que a vida deve aceitar-se com gratidão. Por isso, eu e o pequeno Aukamañ olhávamo-lo com respeito quando pegava na fogaça e, antes de cortar as fatias para ele e para Kinturray, agradecia a ngünemapu aquele kofke, o alimento oferecido pela terra."

abril 20, 2018

A Conversa de Bolzano - Sándor Márai

Título original: Vendégjáték Bolzanóban
Ano da edição original: 1940
Autor: Sándor Márai
Tradução do francês: Miguel Serras Pereira
Editora: Publicações Dom Quixote

"Casanova, evadido dos sinistros Piombi de Veneza, refugia-se na pequena cidade de Bolzano. Aí, irá encontrar-se com aquela que é a Única: a única mulher que amou, a única capaz, talvez de lhe dar a plenitude de vida que só o amor pode dar. Por ela, Giacomo vai aceitar o mais bizarro e difícil dos compromissos: representar, numa só noite, todo o furor e todas as desilusões da paixão. Mas, ao longo dessa irrepreensível encenação, algo totalmente inesperado vai acontecer.
Construído como se de uma ópera se tratasse, numa linguagem de extrema musicalidade, A Conversa de Bolzano, que apareceu em Budapeste em 1940, é, tal como A Herança de Eszter (1939) e As Velas Ardem até ao Fim (1942), uma magistral variação romanesca sobre a paixão amorosa."

A Conversa de Bolzano, retrata a vida de um bon-vivant, Giacomo Casanova, escapulido de Piombi, as prisões de Veneza, que faz uma paragem em Bolzano, uma pequena cidade. A fama precede-o e todos na cidade falam da sua chegada, todos querem vê-lo e todas as mulheres suspiram só de ouvir o seu nome.
O que torna Casanova tão conhecido e desejado? Não é um homem bonito, não é particularmente inteligente e não é rico. O que aguça a curiosidade dos outros e o que atrai os outros é o seu carisma, a sua vida, o ser bem-falante, honesto e apaixonado. O que atrai as pessoas é a sua forma de viver, despreocupada e sem compromissos. Nada o prende, nada o detém, nem mesmo as masmorras de Veneza, de onde conseguiu fugir.
Em Bolzano, Casanova vai ver-se obrigado a questionar a sua forma de vida. Vai ter de avaliar se ainda se sente feliz assim, se lhe falta alguma coisa, se chegou a hora de mudar. Casanova, na introspecção que vai fazer vai perceber que amou, que ainda ama e que, muito provavelmente continuará a amar sempre. Descobre em si essa capacidade e fica surpreendido. Não se sabia capaz de tal sentimento. Estará ele preparado para abdicar de tudo por esse amor? Será ele capaz de aceitar o amor incondicional, de alguém que não exige nada em troca, que está disposta a diminuir-se, apenas para poder estar junto dele? Alguém que conhece a sua essência, que não exige que ele mude radicalmente para a incluir na sua vida. Quererá Casanova assumir esta responsabilidade?

Embora goste muito de Sándor Marái, parece-me que os últimos livros que tenho lido dele me têm prendido menos. Não me sinto muito ligada aos temas, não crio empatia com as personagens e sinto-me meio desligada da leitura. A Conversa de Bolzano, infelizmente não foi o livro que me reconciliou com Sándor Marái. É um livro que se lê bem, sem grande esforço, no entanto, tenho noção de que é um livro que não me ficará na memória.
Há partes do livro que achei verdadeiramente aborrecidas e outras cujo conteúdo me fez sentir agastada e a pensar que o tema do amor arrebatador, onde a mulher se rebaixa para o homem superior a quem nada se pode exigir em troca é coisa do passado. Talvez seja um livro que não tenha resistido tão bem à passagem do tempo, não sei. Talvez seja demasiado datado e por isso tenha sentido alguma alienação e desapego à relevância do tema.
Não deixo de reconhecer a beleza da escrita e da forma mais artística como o livro está escrito mas não foi suficiente para me agarrar enquanto leitora.

Recomendo por ser Sándor Márai, o autor de dois dos livros mais surpreendentes que já li, A Herança de Eszter (opinião aqui) e As Velas Ardem Até ao Fim (opinião aqui).

Boas leituras!


Excerto (pág.126):
" - Não achas, estrangeiro, que há uma espécie de homens a que não se pode dar a felicidade? Talvez seja justamente por isso que eu o amo. Há uma espécie de homens cuja virtude, cujo encanto, cuja atração residem na sua completa incapacidade de serem felizes, homens de todo surdos à felicidade, e que, da mesma maneira que os surdos não ouvem a doçura da música, desconhecem a doçura da felicidade... Tens razão, ele nunca foi feliz. E contudo, vê lá tu, esse homem que é apesar de tudo o meu, diante de Deus e diante dos outros homens, também não descobriu a felicidade noutro lado, apesar de a ter procurado sem descanso, durante cinquenta anos, como o pesquisador de ouro procura o tesouro enterrado no seu próprio jardim, esquecido do lugar do esconderijo. Passou a vida toda a cavar à volta de nós... Viajou à procura de felicidade; eu vendi os meus anéis e enfeites para ele poder viajar, pois, podes crer-me, eu não queria outra coisa que não fosse vê-lo feliz: ele que descubra a felicidade, pensava eu, a bordo de um navio, sobre as águas ou em cidades estrangeiras, ou ainda e até nos braços de mulheres negras ou amarelas, se for esse o seu destino... Mas ele voltava sempre para mim e sentava-se ao meu lado, pedia vinho, ou punha-se a ler, ou partia durante uma semana com uma criatura qualquer de cabelo pintado, de preferência uma atriz. (...) 
 - Sim, eu senti-o... Quando entrei neste quarto, senti que tu eras um homem dessa espécie. Talvez já o tivesse sentido lá em casa, antes de me pôr a caminho em plena tempestade de neve. Mas bem  vês, ele está tão só e tão triste... Há uma tristeza de uma espécie que não podemos consolar, é como se alguém chegasse sempre atrasado a um encontro divino e, depois disso, nada mais contasse a valer. Sabes muito mais sobre ti próprio do que ele, compreendo-o pela tia voz, vejo-o pelos teus olhos, sinto-o no teu ser. Porquê, Giacomo?... Que desgraça aconteceu aos homens assim? Talvez a razão seja para eles um castigo divino e eles conheçam os sentimentos e todas as emoções humanas não com o coração mas só com a razão?..."

março 31, 2018

O Amante Bilingue - Juan Marsé

Título original: El Amante Bilingüe
Ano da edição original: 1990
Autor: Juan Marsé
Tradução: Cristina Rodriguez e Artur Guerra
Editora:Publicações Dom Quixote

"O Amante Bilingue é a história de uma esquizofrenia singular e, sobretudo, a história de uma nostalgia: a nostalgia de ser outro, de exibir outra máscara, de enganar o espelho. Uma aventura grotesca e inverosímil que é também uma sátira irónica e feroz à dualidade social e linguística catalã, agravada pelas diferenças de classe."

Gosto de conhecer novos escritores. Gosto de não saber o que vou encontrar. Escolher um livro de um escritor nunca lido para mim é mais uma questão de instinto do que outra coisa. A mim, o que me leva a pegar num livro é capa e o título. E o que faz com que venha para casa com ele é essencialmente a capa, o título e o preço. Confesso que leio na diagonal a sinopse, apanho a ideia geral e decido: sim ou não. É tão superficial quanto isto. E não me tem corrido nada mal.

O Amante Bilingue, de Juan Marsé foi uma boa surpresa. O nome Juan Marsé não me era estranho. Um daqueles autores que ficam no nosso subconsciente e que um dia se sobrepõem a todos os outros.
É um livro escrito num tom divertido e que acaba por ser triste e de certa forma constrangedor que nos faz sentir mal por, ao mesmo tempo, nos querer fazer rir.

Joan Marés é um homem de ideias fixas, que se apaixona por uma mulher mais nova e que vem de um estrato social muito diferente do seu. Marés vai vivendo feliz até ao dia em que apanha a mulher com um engraxador, alguém muito abaixo da sua classe.
Ela sai de casa e nunca mais o procura, sem qualquer arrependimento e sem qualquer remorso. Ele fica e nunca mais é o mesmo.
Passa a viver obcecado por Norma, toda a sua vida passa a girar em torno dela e da ideia que criou dela. Ao longo da história vamos percebendo que Marés ama uma Norma que na realidade não existe, talvez nunca tenha existido a não ser na sua cabeça. Ama a ideia, ama o que ela representa e, acima de tudo, ama a pessoa que gostaria de ter sido com ela.  

Passam-se uns anos desde que Norma saiu da sua vida e vamos encontrar Marés desfigurado, a ganhar a vida a tocar acordeão na rua, como um mendigo. Toca em sítios onde sabe que vai poder ver Norma. Sabe que ela não o vai reconhecer, mudou tanto desde que ela o deixou...
No dia em que Norma o deixou, Marés perdeu qualquer coisa, perdeu-se a ele, perdeu a sua auto-estima, perdeu a vontade de ser ele. Sonha ser outro homem, um que vá de encontro ao gosto de Norma, um homem auto-confiante, vivido e irresistível. Nos seus sonhos começa a surgir uma personagem, a quem deu o nome de Faneca, o nome do seu amigo de infância. Companheiro de misérias e brincadeiras. Marés começa a pensar em Faneca como a sua oportunidade para reconquistar Norma. O Faneca de hoje não é senão o próprio Marés, uma personalidade alternativa que aos poucos vai tomando conta da vida de Marés. Aos poucos a personalidade de Faneca vai empurrando o inseguro Marés para longe. E à medida que Faneca se vai tornando mais dominante, parece que o pequeno mundo de Marés se vai tornando maior. Dá-se uma espécie de regresso às origens, ao sítio onde cresceram e começa a existir vida para além de Norma. A angústia e a confusão permanente de Marés, parece atenuar-se quando coloca a lente de contacto verde e veste o fato das riscas. A vida parece mais fácil quando Marés se esquece dele próprio.

O Amante Bilingue é mais do que a luta de Marés, entre o que se é e o que se gostaria de ser. Esta luta representa a dualidade que se vive em Barcelona. Dualidade linguística, numa cidade dividida entre o catalão e o castelhano. Uma cidade dividida entre duas nacionalidades e duas identidades muito distintas. Onde "something in between" não é aceite, ou és catalão ou és espanhol. E se sentes que não pertences de forma inequívoca a um dos lados corres o risco de enlouquecer ao viveres numa luta constante contigo mesmo, até à exaustão.

Gostei muito da escrita de Juan Marsé e da forma como nos vai contando a história de Marés. Gostei muito das personagens e da envolvência que consegue criar. Este vai ser um escritor a repetir, definitivamente.

Recomendo sem qualquer reserva.

Boas leituras!


Excerto (pág. 146):
"Ao atravessar o portão do gradeamento, Marés enfrentou o ruidoso trânsito da avenida e sentiu uma ameaça de vertigem. Durante brevíssimos instantes sofreu a sensação de não ser ninguém e de se encontrar em terra de ninguém. Olhou para trás para ver o parque anoitecido, amodorrado sob uma ténue neblina. As luzes da casa brilhavam serenas e remotas entre as árvores, como na outra margem da vida. Apoiou a mão no dragão alado da grade de ferro e deixou escapar um profundo suspiro. A sua atuação perante Norma não o tinha divertido nada e interrogava-se sobre a razão. Não por ela não ter olhado com bons olhos: a ardente sociolinguista cairia nos braços experientes do murciano, maldita seja, era apenas uma questão de tempo. Mas o que ele se propunha não seria, no fundo, pôr os cornos a si mesmo? A ideia fê-lo extraviar-se um pouco mais naquela terra de ninguém e depois sorriu. E porque não?, disse a si próprio: se outros mos puseram durante anos, eu também o posso fazer, isto é, esse grande fantasma chamado Faneca.
Com a mão procurou atrás de si a língua retorcida na boca do dragão e apoiou-se nela; então, voltou a sentir a cabeça embotada e a alma amarga como se sofresse a ressaca de um sonho mau. De repente recordou a tangerina podre que num dia distante ali esteve enfiada, na língua do dragão, e voltou-lhe à boca o sabor azedo. No entanto, apesar da fome que em criança tinha passado, não se lembrava de ter comido aquela tangerina. Comeu-a Faneca, que ainda tinha mais fome do que eu, disse a si mesmo. Uma borboleta nocturna de asas brancas revoou em torno dele e chocou várias vezes na cabeça do dragão apertada contra o gradeamento de ferro."

janeiro 17, 2018

[Kindle] The Girl on the Train - Paula Hawkins

Título original: The Girl on The Train
Ano da edição original: 2015
Autor: Paula Hawkins
Editora: Riverhead Books

"Rachel catches the same commuter train every morning. She knows it will wait at the same signal each time, overlooking a row of back gardens. She's even started to feel like she knows the people who live in one of the houses. 'Jess and Jason', she calls them. Their life - as she sees it - is perfect. And then she sees something shocking..."

Depois de ter passado a febre que rondava A Rapariga no Comboio, achei que já tinha condições para o ler sem ser influenciada por tudo que se dizia sobre o livro. 

A Rapariga no Comboio é uma espécie de thriller psicológico bastante bem conseguido. 
Rachel é uma jovem mulher que nos é apresentada por todos à sua volta como alcoólica, emocionalmente desequilibrada, obcecada pelo ex-marido, mentirosa e violenta. No entanto, à medida que vamos conhecendo a história que a própria Rachel nos vai contando algo parece  não bater certo.
Rachel tem um problema com a bebida, não há dúvidas quanto à isso. Bebe até perder os sentidos e, quando recupera a consciência, pura e simplesmente não se lembra de nada do que aconteceu. Onde esteve, com quem e o que fez. Horas e horas da sua vida completamente apagadas da sua memória. O pior é que, nessas alturas o mais provável é que tenha regressado à sua antiga casa, onde agora o ex-marido vive com a atual família, a mulher e a filha. A atual mulher de Tom não a suporta e já fez queixa à policia. Tom parece tentar desculpar o comportamento de Rachel, tenta afastá-la mas ao mesmo tempo  parece continuar a preocupar-se com ela. 

Rachel está desempregada mas apanha apanha o comboio, todos os dias, como se fosse trabalhar. Todos os dias o comboio pára durante alguns segundos, às vezes minutos, num sinal, o que lhe permite observar as casas da rua onde morava. Há uma casa em particular que lhe desperta a atenção. Nela, todos os dia, ela observa um jovem casal, cuja vida ela de certa forma inveja. São jovens, bonitos e parecem apaixonados. A vida que ela consegue vislumbrar do seu lugar à janela do comboio parece-lhe perfeita. Não os conhece e por isso baptizou-os. Para ela são a Jess e o Jason e são tudo aquilo que desejou para ela e para Tom e que Anna conseguiu roubar. 
Rachel é uma mulher profundamente triste, sozinha e confusa. Vive entre a vontade de prosseguir com a sua vida e o desejo doentio de se manter perto de Tom.
Um dia, depois de mais uma noite complicada, ouve nas notícias que Jess está desaparecida. Rachel não faz ideia do que aconteceu, mas na noite anterior, a última lembrança que tem é de ter saído na estação de Witney, a estação que a leva à rua da qual parece não conseguir afastar-se. Ela não se lembra de nada, mas tem um mau pressentimento sobre aquele fim de tarde. Acha que não está a conseguir lembrar-se de algo muito importante. 
O que será que incomoda tanto Rachel? Porque é que tudo o que lhe dizem que ela faz quando está alcoolizada lhe parece tão desfasado do que ela sente? Rachel tem dificuldade em reconhecer-se naquela pessoa. A confusão é tanta, as perdas de memória de tal maneira graves que já nem Rachel sabe quem é.

Paula Hawkins conta-nos uma história onde nem tudo o que parece é. Gostei da escrita dela e da forma como nos vai envolvendo na história de Rachel. A confusão e a tristeza desta mulher são quase palpáveis. Mesmo com tudo o que se dizia dela, não deixamos de criar empatia com ela e queria muito que tudo lhe corresse bem.

Gostei bastante. Acho que Paula Hawkins é bem capaz de entrar para a minha lista de escritores a seguir. :) 

Recomendo sem qualquer hesitação e sem qualquer restrição. 

Boas leituras! 

Excerto:
"Something happened, I know it did. I can't picture it, but I can feel it. The inside of my mouth hurts, as though I've bitten my cheek, there's a metallic tang of blood on my tongue. I feel nauseated, dizzy. I run my hands through my hair, over my scalp. I flinch. There's a lump, painful and tender, on the right side of my head. My hair is matted with blood."