março 18, 2012

A Ponte Sobre o Drina - Ivo Andrić

Título original: Na Drini Cuprija
Ano da edição original: 1945
Autor: Ivo Andric
Tradução do servo-croata: Lúcia e Dejan Stankovic
Editora: Cavalo de Ferro
 
"No início o leitor encontra-se em pleno século XVI, em Višegrad, cidade na fronteira entre a Sérvia e a Bósnia. Mehmed-Paxá, Grão-Vizir, sonha ainda com o dia em que, criança, foi separado da sua família cristã, obrigado a atravessar para a outra margem do rio. É essa criança que agora, décadas depois, convertido à fé do Islão, dá a ordem de construção de uma ponte sobre o rio Drina.
Esta é a história épica dessa ponte, e também dos que a cruzam. A sua edificação exigiu anos de trabalho árduo, lágrimas e sangue, sacrifícios e vítimas. Ao longo dos séculos a ponte foi local de passagem, de encontros, de conversas, de conspirações; sofreu inundações, foi encerrada para impedir o alastrar da peste, assistiu a suicídios; sobre ela transitaram exércitos em fuga e desfilaram outros vitoriosos; nela foram executados espiões; acompanhou o desmoronar de impérios e o nascer de novas nações...
Romance histórico, grande épico europeu, «A ponte sobre o Drina» pertence à categoria das obras incontornáveis da literatura mundial."

Este foi um livro que me custou muito a ler... Demorei uma eternidade a acabá-lo porque não tenho tido oportunidade de ler sem ser antes de ir dormir e... invariavelmente acabava por adormecer ao fim de uma ou duas páginas. :) Que fique bem claro que o problema não é do livro, que é sobejamente interessante e envolvente, o problema é mesmo meu. O João Pestana parece ter-se mudado aqui para casa! :p

A Ponte Sobre o Drina é, como o nome indica, uma espécie de crónica acerca de uma ponte sobre o Drina, mandada construir pelo Grão-Vizir, Mehmed-Paxá e que permitiu unir as duas margens da cidade de Višegrad, uma pequena cidade na Bosnia-Herzegovina e vizinha da Sérvia. Em 1571, quando o Grão-Vizir manda construir a ponte sobre o Drina, toda aquela zona fazia parte do Império Otomano e, por isso coabitavam no mesmo território, bósnios, turcos, sérvios e alguns judeus. A coabitação, embora tensa, era cordial e Višegrad sempre foi considerada uma cidade pacífica cujos habitantes eram conhecidos pela diversão e descontração.

A história que Ivo Andrić conta é a história da ponte mas, na realidade a história que se conta é a da Bósnia Herzegovina e da zona dos Balcãs, zona conflituosa, desejada e continuamente conquistada pelos diferentes líderes do mundo. Fizeram parte do Império Otomano, foram ocupados pelo Império Austro-Húngaro e, quando o herdeiro ao trono Austro-Húngaro, Franz Ferdinand é assassinado por um membro do movimento nacionalista Young Bosnia, que lutava pela unificação dos países eslavos, inicia-se uma guerra que acaba por levar à I Guerra Mundial. 
Conhecemos uma parte da história do mundo, até 1914, ano em que a crónica termina, com a destruição de um dos pilares centrais da ponte sobre o Drina, através dos olhos dos habitantes de Višegrad, dos naturais da cidade e daqueles que a adoptaram como sendo a sua casa. É através das histórias de vidas destas pessoas, histórias simples quase do quotidiano, que Ivo Andrić nos vai dando a conhecer um povo, uma cultura e o que este contribuiu para a história da humanidade. Entrelaçadas em histórias de amor, de desencanto ou de luta por uma vida melhor, encontramos o nascimento da política como a conhecemos hoje em dia e, é-nos permitido observar de perto como é que uma força estrangeira consegue, com organização e implementação de leis rígidas, que resultam em progresso e em enriquecimento aparente, ocupar um país durante décadas e de forma relativamente pacífica. Vemos de perto a alteração de formas de viver, quando em Višegrad os habitantes começam a ganhar gosto pelo consumismo não se sentindo inibidos naquilo que desejam possuir e fazer. Višegrad é-nos apresentada quase como um tubo de ensaio da sociedade em que vivemos hoje.

A ponte sobre o Drina "assiste" a todas estas mudanças e movimentações, serve de forma isenta cada um dos protagonistas e resiste a todas as provações - "A sua vida, ainda que em si finita, assemelha-se à eternidade, pois o seu termo não é previsível", sobrevive aos Homens e às suas acções - "Assim, as gerações sucederam-se ao redor da ponte e a ponte sacudia de si, como quem sacode o pó, todos os traços que nela deixavam os caprichos humanos ou os acontecimentos efémeros e permanecia, depois de tudo passar, inalterada e inalterável." e resiste ao passar dos séculos, continuando a existir e a ser a ponte sobre o rio Drina, ponto de referência para os seus habitantes e para os que se deslocam a Višegrad, de propósito para a verem.

Gostei bastante do livro, tive alguma dificuldade com os nomes e a geografia da região, no entanto, isso não afectou a minha capacidade de apreciar o livro. Achei a escrita de Ivo Andrić interessante e dinâmica, pois enquanto que nalgumas páginas o tom era mais documental, mais próxima da crónica que pretende ser, noutras o tom é puramente ficcional, a escrita é bonita, poética e extremamente eficaz visualmente.

Recomendo como não poderia deixar de ser. É realmente um documento que permite conhecer um pouco mais da história mundial, em particular de uma região culturalmente tão rica.

Boas leituras!

Excerto:
"Como tantas vezes acontece na história humana, a violência, a pilhagem, e mesmo o assassínio, eram tacitamente permitidos desde que fossem cometidos em nome de interesses superiores, em conformidade com regra estabelecidas e contra um número limitado de pessoas de uma determinada espécie ou credo.
Um homem de espírito puro e de olhos abertos que então vivesse poderia testemunhar como é que se dá esse milagre e como uma sociedade inteira se podia transformar num único dia. Em poucos minutos a tradição secular da cidade foi devastada. É certo que sempre tinham havido secretos ódios e despeitos, intolerância religiosa, infâmia e crueldade, mas também sempre houvera amizade e magnanimidade, e um sentimento de decência e de ordem, que mantinham todos os instintos vis dentro dos limites do suportável, e que, ao fim e ao cabo, os acalmavam e os submetiam ao interesse geral da vida em comum"

6 comentários:

  1. Gostei da tua opinião, mas não sei se terei coragem em conhecer o autor por esta obra... Talvez opte por um outro com menos páginas, "O Pátio Maldito". ;)

    ResponderEliminar
  2. tonsdeazul: Compreendo a tua apreensão. O livro pareceu-me maior do que na realidade é, foi de leitura lenta mas o que ficou foi muito positivo. Esse que referes parece-me uma boa opção, se calhar menos documental. :)

    ResponderEliminar
  3. Já tentei ler este livro 2 vezes e ainda não consegui...
    Quando o comprei, fi-lo pela belíssima capa e pela resenha da história.
    Mas hei-de ler :)

    ResponderEliminar
  4. Curiosamente, o autor do livro é Croata; Obrigado pela sugestão, pois sou um apaixonado pela história dos Balcãs; Começei a interessar-me aquando do início da guerra em 1991, e mantenho o interesse até hoje. Não sei porquê mas parece-me que a região é o espelho quase perfeito, daquilo que é a Europa! Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se és um apaixonado pela história dos Balcãs, deves dar uma vista de olhos ao livro. É muito provável que venhas a gostar bastante dele. Eu gostei! :)

      Eliminar
  5. Um dos grandes livros que li até hoje.(neste momento estou a fazer uma 2ª leitura)

    ResponderEliminar