março 25, 2010

Money - Martin Amis

"John Self sai de uma bebedeira para se meter noutra, apimentando-as com visitas a bordéis e sex shops, zaragatas, consumo desenfreado de pornografia e outras actividades semelhantes. O depravado John vai-nos sendo revelado pouco a pouco: é um calejado realizador de publicidade televisiva que se move entre Londres e Nova Iorque e ao qual é encarregada a realização de uma longa-metragem com as mais fulgurantes estrelas norte-americanas. Maltrata a sua namorada Selina, que está com ele apenas pelo dinheiro e que nem sequer se dá ao trabalho de o dissimular. O dinheiro está sempre presente: chega sem esforço e é desbaratado com maior facilidade."

Cheguei finalmente ao fim deste livro... Confesso que me custou imenso lê-lo. Não me identifiquei com a escrita, com o tema e com as personagens. Acho que só o li até ao fim porque queria saber como acabava a história, saber qual era o objectivo de tudo aquilo e se o final poderia salvar o livro para mim.

A verdade é que achei o livro desgastante, quase fisicamente desgastante, porque os temas abordados são pesados e porque a escrita de Martin Amis não me cativou nem um pouco. O mundo em que John Self vive é muito pesado, muito cansativo... John Self bebe, quase todos os dias até à inconsciência, divide os seus dias entre bares de reputação duvidosa e bordeis ou sex-shops. Fumador inveterado, viciado em comida de plástico, em pornografia e em dinheiro, o qual gasta sem qualquer critério ou ponderação. Tendo tanto e com expectativas de ganhar muito mais, gasta o dinheiro de forma obscena.
Martin Amis utiliza John Self como o narrador e protagonista da história. Ora, sendo John Self um homem que às vezes, perde da memória dias inteiros, tal é o seu estado de embriaguez, a escrita é por vezes tão confusa como a cabeça de John, com raciocínios incompletos e divagações cansativas, com parágrafos cheios de auto-comiseração e queixumes porque, na realidade John Self é patético e com muito pouca auto-estima. É um fraco e a personalidade dele irritou-me para além do aceitável... Que homem triste, inútil e burro. Não gostei dele e não criei qualquer espécie de empatia com ele, nem com as outras personagens, para ser franca. Por isso me foi penoso ler o livro, mas também porque os temas não me interessam por aí além: estrelas de cinema em decadência, dinheiro e pornografia.

Não vou falar da história em si, porque sei que muitos de vocês têm o livro em casa para ler e não quero estragar-vos uma leitura, que para vocês, poderá ser muito proveitosa. Eu própria, embora que não tenha gostado do livro, fiz questão de o acabar (saltando alguns parágrafos) porque existe algo neste livro que nos agarra. Não sei dizer bem o que é, mas há nele algo que me levou até ao fim. Um livro que me provoca este tipo de aversão, às personagens e ao que nele acontece, tem que ter algum mérito, até porque, sinto que o autor teve essa intenção. Acho que ele pretendia que acabássemos de ler o livro e nos sentíssemos sujos, como o dinheiro e todos os coitados que nele chafurdam, vivendo para ele, como se de uma droga se tratasse.
Consigo vislumbrar algumas qualidades do escritor, consigo até apreciar algumas passagens do livro e perceber a importância do que lá vem escrito, poderia estar aqui a divagar sobre a importância e a infeliz verdade que existe em tudo o que ele escreve, mas não consigo gostar da maneira como ele o faz. Por mais pertinentes que sejam os assuntos que ele aborda e por mais acertadas que sejam as reflexões que faz sobre a sociedade e a forma como lidamos com o dinheiro, se isto não vem acompanhado por uma escrita da qual goste, para mim não funciona.

Martin Amis, aparentemente não faz o meu género e, se voltar a ler alguma coisa dele será por mera distracção ou porque alguém muito persuasivo me convenceu do contrário... :s

Nota: Esta edição contém alguns erros, algumas gralhas e frases mal construídas. Isto também não ajudou a leitura já de si, difícil.

12 comentários:

  1. Não comprei este, pois a sinopse não me convenceu e pela tua opinião também não me parece que alguma vez lhe pegue. Só por distracção. :)
    Vou iniciar hoje o último da colecção, «A Herança de Eszter», de Sándor Márai. Nunca li nada do autor. Vamos ver no que dá... Boas Leituras!

    ResponderEliminar
  2. Ainda estive a considerar iniciar a leitura deste livro também (tenho-o pela colecção da Sábado) mas como entretanto arranjei a Carne de Cão :)achei melhor esperar. Agora acho que vai passar mais para o final da lista... :)
    A Pearl S. Buck foi uma das minhas escritoras favoritas há alguns anos, mas não sei se já terei lido A Mãe. Vou tentar averiguar e relembrar-me se assim for.
    PS: Agora quando venho ler a crítica sobre o livro também venho com a expectativa sobre qual será o próximo :)

    ResponderEliminar
  3. O Money foi mesmo um tiro ao lado, até porque esta é considerada a obra-prima do Martin Amis. Não é mau, só não faz o meu género. Além disso, acho que a tradução não é das melhores...
    Tenho lido críticas muito boas ao Sándor Márai. Estou muito curiosa para o ler.

    O primeiro que li da Pearl S. Buck foi o Há Sempre um Amanhã e gostei muito. Como os livros dela não são caros e gosto dela, de vez em quando lá vem um para a minha estante. :) Este Mãe vinha num pack, como o Bem Me Quer, Mal Me Quer (já lido e devidamente comentado aqui), também dela.
    Que responsabilidade que me puseste em cima. ;)

    ResponderEliminar
  4. Pois, o livrinho está cá em casa na prateleira, mas acho que lá vai ficar.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Eu li-o e ri-me um bom pedaço com ele! mas admito que é um livro um pouco confuso!

    ResponderEliminar
  6. Reconheço que o livro tem cenas bem engraçadas e houve partes das quais até gostei, mas não o suficiente para querer ler mais livros do autor. Não me identifiquei nem com a escrita nem com a história mas, percebo que para muita gente seja genial. Nada contra! :)

    ResponderEliminar
  7. começai a ler o livro na semana passado e vou perto do meio, sinceramente estou a gostar; a gostar da forma como a personagem é, muito inconsistente, extremamente superficial, mas muito bem concebida. Mostra bem o quanto doente é alguém realmente adaptado a esta sociedade doente que apenas vê capital.

    Fernando Bento

    ResponderEliminar
  8. Fernando, embora eu não tenha gostado do livro, reconheço que para muita gente seja um bom livro. No meu caso, a personagem principal, Jeff, apenas me conseguia irritar de tão parvo que era, não deixo no entanto de reconhecer que há mérito do escritor ao criar uma personagem tão abjecta... :) Não gostei da forma como ele nos conta a história e, como os temas não me interessam por aí além, o livro não funcionou para mim mas, nunca disse que era um mau livro.

    Espero que a tua opinião continue positiva até ao fim do livro e que ele não te deixe tão desgastado como me deixou a mim. :/

    ResponderEliminar
  9. o Livro é excelente, Martin Amis revela-se como um grande escritor, Entendo que quem não goste estivesse à espera de vidas cor de rosa mas o dinheiro é mesmo negro, tão negro como a vida de john Self que não sei se chegou a perceber que a abundância de dinheiro é o principal problema da vida dele.

    ResponderEliminar
  10. Jorge: Não estava de todo à espera de vidas cor-de-rosa. Aliás não tinha grandes expectativas quando comecei a leitura do livro pois nunca tinha ouvido falar no autor. Acho que não me identifiquei nem com a historia nem com a escrita. É mesmo assim, embora reconhecendo mérito ao autor, a verdade é que não é um autor que me entusiasme. Mas ainda bem que gostaste! :)

    ResponderEliminar
  11. Comecei a ler este livro à cerca de um mês, e ao fim de poucas páginas apercebi-me da dificuldade que iria ser terminá-lo. Já por diversas vezes me senti tentada a arrumar novamente o livro na estante, mas realmente existe algo na história que me leva a pegar no livro todas as noites para saber como John vai acabar. No entanto não consigo ler muitas páginas de cada vez, precisamente por a escrita ser de difícil leitura e desgastante. Por isso penso que o John ainda está para durar na minha mesa de cabeceira...

    Lilla

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É realmente um livro difícil de ler. Não consigo dizer que não gostei, porque o li até ao fim e, como dizes, há qualquer coisa que nos leva a continuar a leitura, embora seja uma história desagradável. Nunca mais tive vontade de ler outro do autor, mas percebo porque muita gente o lê.

      Eliminar