janeiro 22, 2012

[Filme] Millennium 1 - Os Homens Que Odeiam as Mulheres

Título Original: The Girl With The Dragon Tattoo
Realização: David Fincher
Duração: 158 min
Origem: USA

Sinopse:
Mikael Blomkvist é um jornalista de meia-idade, divorciado, que tem passado a sua vida a denunciar a corrupção do mundo dos negócios de Estocolmo na sua revista Millennium.
Quando Henrik Vanger, um poderoso empresário, o convida para um trabalho de investigação, Mikael tem nas mãos material irrecusável. Mas para sua surpresa descobre que, desta vez, esse material não tem nada a ver com escândalos financeiros, mas com o desaparecimento da sobrinha do empresário, Harriet, 36 anos antes, num encontro de família. Com a ajuda da sua nova e rebelde parceira, Lisbeth Salander, uma hacker de alto nível com problemas de comportamento social, irão desvendar muitos segredos da família de Henrik, até então escondidos na penumbra.


Fui ontem ver a versão de David Fincher para a sobejamente conhecida história de Stieg Larsson, Millenium I - Os Homens que Odeiam as Mulheres e gostei bastante.
Já vi os três filmes suecos de que gostei bastante mas acho que este do David Fincher consegue captar melhor a essência do livro, sendo-lhe mais fiel e fiquei com a sensação de que conseguiu explicar melhor todos os acontecimentos. Digo isto porque, vi todos os filmes com o meu mais-que-tudo, que não leu os livros e que neste, pese embora já ter visto os filmes suecos, não houve necessidade de o enquadrar com pormenores do livro, o que acabou por acontecer depois de vermos a versão sueca dos mesmos.

Gostei da escolha dos actores e, embora  Noomi Rapace como Lisbeth Salander seja difícil de igualar, a actriz escolhida por Fincher para este papel, Rooney Mara, não deixou mal a Lisbeth. Embora num registo um pouco diferente porque a Lisbeth de Rooney Mara tem uma aparência mais frágil que a de Noomi Rapace, ambas apanharam muito bem a personalidade da Lisbeth de Stieg Larsson.
Daniel Craig foi também uma boa escolha para o Mikael Bloomkvist, talvez até mais credível que o Michael Nyqvist, da versão sueca.

Embora o filme tenha sido feito a contar com as adaptações dos dois últimos livros da trilogia, não sei se este será o género de filme que o público americano aprecie e valorize de forma a que seja possível a realização/produção dos outros dois filmes. Mas este é, por si só, um filme que vale a pena ver, independentemente de vir a ter continuação ou não.

Deixo-vos os trailer da versão David Fincher:


E o trailer da versão de Niels Arden Oplev, Män Som Hatar Kvinnor:


6 comentários:

  1. Gostei tanto dos filmes suecos (e não li ainda nenhum dos livros) que estou a fazer um bocadinho de birra com este filme.
    Achei a Lisbeth sueca brutal...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Patrícia: A Lisbeth sueca é genial, mas olha que a Lisbeth de Fincher não fica atrás. ;) Se gostaste muito dos filmes suecos, de certeza que vais gostar deste também. Fincher raramente desilude. O filme está muito bom! :)

    ResponderEliminar
  3. eu nunca li os livros, nem vi as versões suecas e adorei o filme, como dizes entende-se bem mesmo para quem não leu, para mim,em termos de adaptações é sempre um ponto importante porque detesto quando adaptam de uma forma que só quem leu é que entende.
    Foi um daqueles que dá vontade de ver outravez logo a seguir. Eu não vou ver a versão sueca, é melhor ter só uma versaõ na cabeça :) Já basta ter visto várias adaptações de alguns dos clássicos ingleses :)

    ResponderEliminar
  4. Não sei como tanta gente gosta dessa trilogia… Eu achei trágico, horrível, história super apelativa e pesada… Abuso ao extremo. Não gosto de livros assim. tb não gostei dos filmes!

    ResponderEliminar
  5. Madrigal: A versão do Fincher está muito boa, acho que podes ficar por ela sem prejuízo para a história. :)

    CMachado: Não é uma história fácil e reconheço que não seja para todos os gostos. Mas ainda bem que não gostamos todos do mesmo! :)

    ResponderEliminar
  6. Olá,
    Vi o filme esta semana e gostei mesmo muito. Também tinha visto o filme sueco com o meu namorado e aconteceu o mesmo que contigo - cheguei ao final e tive que enquadrar melhor algumas coisas, contar alguns pormenores que não estavam bem explicados. Sinceramente, gostei bastante mais desta adaptação do que da sueca, e também gostei mais desta Lisbeth...mas acho que as duas actrizes fizeram um excelente trabalho!

    Já agora, algo que não tem a ver com este post, recebi um selinho no meu blog e nomeei 5 blogs para também o enviar. O teu blog é um deles. Quando quiseres passa no meu blog para ver :)

    Boas leituras

    ResponderEliminar